Ata de 3 Meses de Viagem

Translate here!

Gili Trawangan- Indonesia, 25 de setembro de 2014.

  • Eduardo e Monica tiraram um mês para descansar e trabalhar melhor na  ideia da viagem.
  • Descobriram que as Filipinas era tudo que esperavam ver durante a viagem: areia branca, mar turquesa, corais vivos, peixes coloridos, por do sol no mar e happy hour quase 24h. Eles querem voltar!
  • Fizeram snorkel pela primeira vez e agora toda vez que veem uma máscara de mergulho e corais, correm para o mar. Eduardo quer aprender a mergulhar de cilindro, mas o orçamento ainda não permitiu.
  • Conheceram a praia Las Cabanas, em El Nido nas Filipinas e entenderam na prática o que significa uma praia paradisíaca (quase) secreta.
  • Mônica se indignou com as taxas aeroportuárias extras cobradas apenas em dinheiro antes de cada voo nas Filipinas. Eduardo se indignou, porque nenhuma loja/restaurante do aeroporto internacional de Manila aceita cartão de crédito. Eles não tinham mais dinheiro filipino antes de embarcar para Indonesia.
  • Eduardo e Mônica chegaram na Indonesia. Se estressaram como nunca na fila da imigracão com os chineses que queriam furar a fila o tempo todo durante a 1h que esperaram. Fizeram um cordão de isolamento com uma irlandesa e ninguém passou na frente.
  • Ficaram milhonários rapidamente com a conversão monetária na Indonesia.
  • Passaram pouco mais de uma semana em Ubud, Indonesia, e perceberam o todos ja haviam dito: Bali é um lugar lindo que foi tomado pelo turismo. Viram poucos locais, muitos turistas, preços que só fazem sentido em dolar e se recusaram a gastar onde o preço não era compatível com a realidade do país.
  • Eduardo e Mônica foram para Gili Trawangan. Alguns diziam que era a melhor ilha do mundo, mas eles discordam e preferem White Sands Beach em Boracay ou Las Cabanas em El Nido.
  • Em Gili T acharam o lugar perfeito para descansar, ter novas ideias, botar em prática algumas vontades, experimentar novas coisas com “velhos” amigos (os que conheceram em Hong Kong menos de um mês antes), alugar uma bicicleta, ter um bangalo próprio e passar o dia trabalhando com vista para o mar.
  • Fizeram trabalho social em Lombok. Não fizeram muita coisa, mas sabem que aquele pouquinho ajudou muito mais do que se não tivessem feito nada.
  • Perceberam durante as madrugadas que passaram sentados na areia, sentido o mar tocar nos pés a luz do luar, que a vida é mais sobre o estilo de vida que se leva, sobre as decisões que se toma e de como se reage diante das adversidades. E que uma boa companhia para compartilhar todos esses pensamentos pode fazer uma grande diferença. Eduardo e Mônica se perderam no tempo e viram que a vida é muito curta para não fazerem tudo, absolutamente tudo, valer a pena.

Já conhece nosso Facebook?

VEJA MAIS