As Portas Coloridas de Dublin e o Estilo Georgiano

Texto: Mônica Morás   Fotos: Eduardo Viero

Quem já esteve em Dublin deve ter observado o colorido das portas. Elas são tão famosas que se tornaram patrimônio cultural e ninguém pode alterar a cor sem uma autorização. E isso tem uma explicação lendária: dizem que quando o príncipe Albert faleceu, a rainha Vitoria ordenou que todos colocassem uma bandeira preta na frente de suas casas em sinal de luto. Mas a noite, um irlandês revoltado com a Inglaterra pintou as portas de Dublin fazendo amanhecerem coloridas. A moda rapidamente pegou. 

As portas representam o estilo Georgiano, marcante na Inglaterra e Irlanda durante os anos 1714 e 1830, no reinado de quatros reis George, quando ambos os paises pertenciam ao Reino Unido. Mas na Irlanda a adaptação ao estilo não foi muito fácil, pois durante muitos tempo Dublin foi uma cidade medieval. A adaptação começou no reinado de Charles II durante a expansão da cidade, onde casas foram construídas já no estilo predominante inglês. Nesse período várias ruas foram destruídas e reconstruídas no estilo Georgiano. Inclusive cinco quarteirões foram projetados, todos ao sul do rio Liffey: Saint Stephen's Green Park, Parnell Square, Marrion Square, Fitzwilliam Square e Mountjoy Square.

As casas Irlandesas típicas do estilo Georgiano foram construídas alinhadas, com fachadas simples e com quatro ou cinco andares. O subsolo normalmente comportava a cozinha e área de serviço, no térreo ficava a sala de estar e jantar, no primeiro andar havia uma sala de estar informal e no último, geralmente estavam os quartos. Algumas casas ainda tinham sótão, usados como acomodação de empregados com acesso por uma escada externa que ficava atrás da casa

Para conhecer um pouco mais da arquitetura Georgiana na Irlanda, é possível conhecer a casa Numero 29 (Fitzwilliam Street, Number 29), onde são feitas inclusive visitas guiadas, apresentando a história de cada um dos cômodos.