Roteiro pela Mongólia Central

Translate here!

Texto: MONICA MORAS     Fotos: EDUARDO VIERO e MONICA MORAS

 

Há muito tempo queríamos ir parar Mongólia. Os cavalos selvagens e as famílias nômades sempre nos despertaram uma curiosidade imensa. E cada nova foto da paisagem e dos rituais, sentíamos quer deveríamos aproveitar a oportunidade.

Chegamos na Mongólia pela Transiberiana vindos da Rússia onde fizemos o visto em julho e saímos de avião para a China no visto de 72 horas em Pequim.

 

A ESCOLHA DO TOUR

 

Depois de pesquisar e ficarmos insatisfeitos com os valores exorbitantes que o hostel cobrava, conhecemos o Theo, um brasileiro que se tornou um grande amigo e chamou uma casal de italianos para nos unirmos e fazer um tour. Ele conhecia uma agência de um holandês que havia feito a volta ao mundo de bicicleta e agora agenciava tours na Tseren Tours que fica nos fundos  do Café Amsterdam em Ulaanbaatar. Escolhemos essa agência, porque oferece tours prontos e tours personalizados, o que procurávamos.

Acordamos o que cada um queria fazer, conversamos na agência, customizamos tudo, incluindo o fato que de todos terem interesse em ir parando na estrada para fotografar, viver com família nômade, ver os cavalos selvagens e visitar a antiga capital do país.  Fechamos um tour perfeito para a Mongólia Central por US$ 150 por pessoa (éramos 5) com tudo incluído, com guia em inglês, acomodação com família nômade, motorista local e alimentação completa. O mesmo tour custava 400 dólares no hostel, com uma van cheia e sem poder parra na estrada. Veja mais no post 10 Coisas que Você Precisa Saber sobre Tours na Mongólia.

mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central

 

ROTEIRO

  • Dia 1: Ulaanbaatar, Khogno Khan Mountains, Uvgun Kiid Monastery (or Erdenekhamba Monastery)
  • Dia 2: Kharkhorin, Erdene Zuu Monastery, Khar Balgas Citadel, Ogiin Lake
  • Dia 3: Ogiin Lake, Ulaanbaatar

 

 

DIA 1

ULAANBAATAR, KHOGNO KHAN MOUNTAINS, UVGUN KIID MONASTERY

 

Saímos às 7:30am de Ulannbaatar, fomos parando em vilarejos, almoçamos na beira da estrada e por volta das 17h chegamos nas Montanhas Khogno Khan, onde estava na nossa família nômade. Essa região é incrível, com montanhas, estepe, floresta, animais selvagens, uma parte do deserto de Gobi e fontes de água mineral.

Na parte alta das montanhas está o mosteiro Uvgun Kiid construído no século 17 por  Erdenetsorj que era um grande escultor e o maior representante do budismo na Mongólia. Durante o período feudal, a disputa entre mongóis orientais e ocidentais, após o colapso do Império Mongol, o exército viu os telhados de ouro dos templos na Khogno Khan Mountain e matou todos os discípulos do monge Erdenetsorj em 1640 da mesma forma que se matam ovelhas, amarrando cordas nos seus pescoços. Essa forma de abater animais em mongol tem o nome de khognokh, por isso o nome da montanha é Khogno Khan. Depois revolução democrática em 1990, o mosteiro foi restaurado por familiares dos monges que viviam no templo.

mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central

 

DIA 2

KHARKHORIN, ERDENE ZUU MONASTERY, OGIIN LAKE

 

Kharkhorion é a lendária cidade de Genghis Khan, fundada em 1220 na Rota da Seda. Em 1235, seu filho Ogoodei construiu a cidade e cresceu em torno dele uma parede envolvente, com quatro portas, de onde o Império Mongol foi governado.

Kharkhorin foi ao mesmo tempo um centro político, econômico, administrativo e religioso. A parede em torno da cidade, rodeado de uma área de 400 metros quadrados. A cidade tinha quatro tartarugas de pedra, e hoje apenas uma é visível. Ela simboliza a longevidade, a solidariedade e independência, e é o animal do espírito da água. É por isso que quatro tartarugas foram fixados em Kharkhorin, com o objetivo de manter fora inundações e de assegurando uma vida eterna.

A cidade foi completamente destruída por tropas Ming em 1380. Algumas relíquias ainda permanecem, nomeadamente duas tartarugas granito, a base de um palácio, alguns leões de pedra, duas colunas e alguns vestígios de canal de irrigação.

O Monastério Erdene Zuu, ou Templo Preciso, foi construído entre 1585 e 1586. É o mais antigo mosteiro budista da Mongólia. É necessário pagar para entrar e uma taxa extra para fotografar. Localizado a cerca de 2 km a nordeste Kharkhorin, ele faz parte do Patrimônio da UNESCO. O príncipe Abtai Han, mandou construir o templo fora das ruínas de Kkarkhorin, depois de ter encontrado o terceiro Dalai Lama e o budismo tibetano foi declarado religião do estado na Mongólia. O local foi restaurado no final do século e quase encontrada de volta a sua atividade religiosa. Hoje, Erdene Zuu continua a ser um monastério budista ativo, e, ao mesmo tempo, um museu aberto para os viajantes.

Depois de almoçar, chegamos no Lago Ogii já no final de tarde, onde supostamente estaria a nossa família nômade. Mas eles não estavam lá, porque afinal são nômades. Nossa guia então encontrou outra família disposta a nos receber naquela noite.

O Lago Ogii está localizado 1337 metros acima do nível do mar numa área de 25 quilômetros quadrados. Ele é rico em peixes e um lugar importante onde as aves migratórias costumam parar. Os habitantes locais consideram o lago como um local de culto.

mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central

 

DIA 3

OGIIN LAKE, ULAANBAATAR

Depois de explorar o lago de dia, paramos para almoçar na beira de outro lago com uma outra família nômade que estava carreando uma cabra. Ainda bem que nós dois crescemos indo para fazenda e não ficamos tão chocados quanto os italianos. Foi nesse dia, o último que finalmente soube que havia uma traje, tipo um roupão, especial para mulheres irem ao banheiro (lê-se matinho, só que sem matinho, veja aqui). Voltamos para Ulaanbaatar por volta das 17:30pm e foi agência que nos ajudou a encontrar um novo lugar para ficar naquela noite. 

mongolia central
mongolia central
mongolia central
mongolia central

 

A EXPERIENCIA

Foi incrível o tour. Com certeza faríamos de novo e com mais tempo. O que fizemos foi suficiente para mudar muitas perspectivas de vida e ver o quanto os mongóis são um povo batalhador e feliz, mesmo com tanta pobreza. E mesmo apesar das dificuldades que tivemos na estrada, com desafio de estar no meio do nada sem nenhuma estrutura, confiando apenas na guia que falava inglês e no motorista que era daquela região, eu indico essa viagem sem nem pensar duas vezes. 

Antes de escolher o tour, fique ciente de como tudo funciona, e por isso leia o post 10 COISAS QUE VOCE PRECISA SABER SOBRE TOURS NA MONGÓLIA.

mongolia central

 

Já conhece nosso Facebook?

VEJA MAIS