A Cidade Perdida de Angkor Wat no Camboja

Translate here!

Texto: MONICA MORAS   Fotos: EDUARDO VIERO e MONICA MORAS

Quando decidimos fazer a viagem, um dos lugares de maior expectativa era Angkor, a cidade abandonada no meio da selva do Camboja. O grande dia chegou e depois de 9h percorrendo diversos templos na imensidão que é o lugar, voltamos para “casa” felizes, exaustos, cobertos de poeira e com história para contar. 

Muita gente não sabe, mas Angkor é um complexo de mais de 1000 metros quadrados a 5km de Siem Reap no Camboja. São templos e edifícios datados do século IX que foram abandonadas por motivos desconhecidos até hoje. O maior templo e mais bem conservado é o Angkor Wat, é famoso pelo inigualável nascer do sol e por ser a maior construção religiosa do mundo. Mas existem outros templos que não deixa nada a desejar, como Bayon, Ta Prohm ou o por do sol no Phnom Bakheng. Angkor foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO e hoje é o símbolo do Camboja, até mesmo na bandeira do país.

Angkor Wat governada pelo rei Suryavarman II, foi centro político, econômico e religioso do Império Khmer, onde chegaram a viver 500.000 pessoas. Mas por motivos desconhecidos, talvez as guerras, os templos de Angkor foram abandonados no século XVI.

Veja também:

Angkor Thom foi capital construída pelo rei Jayavarman VII e foi a maior cidade do Império Khmer. Entre as diversas ruínas, as que mais se destacam são as de Bayon, com 54 torres encaixadas como quebra-cabeça, em que quatros rostos sorridentes (em cada torre) estão virados para cada um dos pontos cardeais.

Como os templos foram construídos no meio da selva do Camboja e ficaram abandonados por muitos anos, a vegetação cresceu e tomou conta de algumas estruturas. O antigo monastério Ta Prohm construído pelo rei Jayavarman VII é o lugar mais enigmático onde árvores gigantes tornam o lugar fascinante. O filme Tomb Rider teve cenas filmadas lá.

CURIOSIDADES DE ANGKOR WAT

ESCADAS

Para acessar todos os templos existem escadas de pedras, várias bastante altas e a maioria íngreme e irregular do tamanho, às vezes mal cabendo o pé inteiro no degrau, de tão estreitos. Alguns templos tem escadas anexas recentes para facilitar a subida, mas não são todos. O tempo inteiro passa-se subindo e descendo escadas, das menores até as imensas.

ESCULTURAS E DETALHES

As esculturas estão por todas as partes, mas as que mais chama a atenção são soldados numa rocha talhada que seguram a ponte sobre o Rio Angkor, na entrada de Angkor Thom. A passagem do tempo desfigurou a maior parte dos detalhes do rostos dos soldados.

Além disso os templos são ricos de detalhes em suas paredes, como as Apsaras (dançarinas celestiais) e detalhes florais nos frisos, tetos e colunas dos edifícios, justamente por ser um templo em meio a selva.

MACACOS

 Eles estão por todos os lados e é melhor não chegar muito perto, pois eles não são muito amigáveis.

MONGES

Não é difícil vê-los por lá, circulando entre os templos.

NASCER E POR DO SOL

O nascer do sol acontece no Angkor Wat, mas para vê-lo é preciso chegar bem cedo, assim que o complexo abre, pois é uma dos momentos mais disputados pelos milhares de visitantes diários do lugar. Tem que sair do hotel/hostel no máximo `as 5h da manhã. O por do sol acontece no Phnom Bakheng, que fica no alto de uma montanha. Para conseguir um bom lugar, é melhor chegar antes das 17h, pois depois a disputa fica bem grande por uma foto. Ele acontece por volta das 17:30.

CUIDADOS EM ANGKOR WAT

Existem pessoas vendendo livros por US$ 1, apenas cuide as crianças que começam a te seguir tentando vender os livros e outras coisas.

Senhoras sentadas perto dos locais de oferendas normalmente oferecem incensos para os turistas acenderem, `as vezes até dão pulseirinhas da sorte, e quando se pensa que isso foi só um gesto de gentileza, elas pedem dinheiro em troca. Varia de US$1 até US$20 e o dinheiro não vai para o templo, óbvio.

Cuidado com pessoas muito bem intencionadas dando dicas dentro do templos, contando um pedacinho da história, dando dicas de melhor lugar para fotografar. Algumas pedem dinheiro em troca depois do “favorzinho”.

 

ESTRUTURA DO COMPLEXO ANGKOR WAT

Em quase todos os templos, principalmente nos maiores, existem barraquinhas de souvenirs, restaurantes populares com preços caríssimos, banheiros limpinhos e gratuitos e barraquinhas vendendo água gelada. Na entrada dos templos guias oficiais oferecem visitas guiados de 1h por mais ou menos US$ 15. Todos falam inglês e muitos inclusive são poliglotas.

 

INGRESSOS E HORARIOS DE ANGKOR WAT

Os templos ficam abertos das 5:30 da manhã até às 17:30. Os ingressos são comprados exclusivamente nas bilheterias na entrada de Angkor e são intransferíveis, tanto que quando se compra, eles fazem uma foto para imprimir no ingresso. Falando nisso, os ingressos são conferidos na entrada de cada templo, então muito cuidado com o seu.

Preços atualizados em Fevereiro de 2017: custa 37 dólares por 1 dia, 62 dólares por 3 dias e 72 dolares 7 dias. Antigamente era 20, 40 e 60.

 

MAPA DE ANGKOR WAT

COMO VISITAR ANGKOR WAT E OPÇOES DE TOUR

Angkor fica a 5km de Siem Reap (leia aqui), a cidade base para quem visita os templos, e normalmente o pessoal usa tuk tuk. Tem as opções de tours, de carro particular, de bicicleta, mas nós fomos de tuk tuk pelo dia inteiro.

Nós pagamos US$ 15 pelo circuito pequeno com por do sol. Esse é o preço justo, pois tem uns tuk tukaté hostel que oferecem por mais caro que isso.

As opções são:

  • US$ 15: circuito pequeno com por do sol
  • US$ 18: circuito pequeno com nascer do sol
  • US$ 17: circuito grande com por do sol
  • US$ 20: circuito grande com nascer do sol

MELHOR EPOCA PARA VISITAR ANGKOR WAT

Faz calor o ano todo, mas Dezembro e Janeiro são os melhores meses, quando o calor não é tão grande e não tem tanta umidade. E mesmo assim fazia muito calor! De Fevereiro até Abril a temperatura sobe bastante acompanhada da umidade, chegando até a 45º. E a partir de Maio até Outubro é a época das monções (chuvas torrenciais típicas da Ásia). Veja o GUIA COMPLETO DAS MONÇOES NA ASIA

Mesmo com o calor, não é permitido mostrar ombros ou joelhos, então cuidado com a roupa. Em alguns templos eles simplesmente barram o pessoal na entrada.

O tempo no tuk tuk com o vento no rosto entre um deslocamento e outro é uma benção. Água não é uma escolha, é uma necessidade constante durante o dia. Não dá nem tempo dela esquentar na garrafinha.

Como fomos na época mais seca, não preciso dizer que voltamos cobertos de poeira, com pés irreconhecíveis. 

Angkor foi um dos lugares mais emblemáticos e fascinantes que já visitamos, talvez só que já esteve lá possa entender a energia do lugar e o fascínio que ele desperta até nos menos ligados em religião, história ou arquitetura.

Veja também:

 

ONDE FICAR EM ANGKOR WAT

Leia sobre HOSPEDAGEM no post SIEM REAP, A CIDADE BASE PARA ANGKOR WAT

Leia todos os post do CAMBOJA

Já conhece nosso Facebook?

VEJA MAIS