Como a Viagem Começou

Translate here!

Texto: Mônica Morás 

Desde o primeiro momento que nos conhecemos, descobrimos que compartilhávamos muitos gostos em comum, sendo um deles a paixão por viajar. A amizade virou namoro e os finais de semana viraram pequenas aventuras em busca de lugares novos para conhecer. Do final de semana, foi aumentando pra feriadão, depois uma semana e quando vimos já era um mês inteiro. A cada volta de viagem já tinha um novo plano! Economizávamos tudo que podíamos para poder viajar, tipo vício! Até que numa noite qualquer surgiu a ideia da Volta ao Mundo. Já era uma conversa comum entre nós, mas aquele dia foi definitivo!

Nós sabíamos que era uma decisão difícil, implicava em pedir demissão e interromper tudo que havíamos construído, a tal estabilidade, a tal carreira. Nós não estávamos felizes com a nossa situação profissional, era como se algo tivesse errado, mas ainda assim era difícil “abandonar” tudo, existia o medo do arrependimento. A família não compreendeu no primeiro momento, nós não tínhamos ideia de quanto dinheiro precisaríamos e nem quanto conseguiríamos juntar, mas a decisão estava tomada e aquele era o momento certo.

Mas o mundo conspira e o que era pra ser um problema, virou uma solução. Consegui sair do meu trabalho com todos os direitos trabalhistas de cinco anos e o Eduardo começou a ter mais trabalhos grandes de fotografia. Vendemos o pouco que tínhamos pra ter dinheiro, a família compreendeu nossos motivos e os amigos foram os nossos motivadores principais, com empolgação, com ideias e com energia positiva. E então veio uma auto confiança tão grande que, na nossa cabeça, nada poderia dar errado.

eduardo e monica volta ao mundo

Nós planejamos tudo para começar pela América do Sul e depois vir para Ásia. Era um plano perfeito para três meses e no caminho começaríamos as pesquisas sobre a Ásia. Só que um mês antes resolvemos dar uma olhada nos voos do México pra Rússia e todos os voos paravam nos EUA, mas o Eduardo não tem visto e foi assim que tudo mudou!

Embarcamos para Moscou exatamente 8 meses depois da decisão inicial pra passar um ano apenas na Ásia. Nós não sabíamos nada sobre a Ásia! Nada! Tínhamos algumas ideias de coisas para fazer e uma noção de logística lógica pra não gastar dinheiro `a toa com passagens aéreas. Ninguém sabia o que faríamos nessa viagem, nem nós mesmos! Nem quanto tempo levaríamos, se mais ou menos de um ano.

E sabe o que aconteceu? Nós fizemos tudo o que queríamos e muito mais! Nós descobrimos mais lugares interessantes, nós conhecemos pessoas fantásticas, nós entramos em culturas que nem imaginávamos e nós aprendemos a viver como locais em cada cidade. Cada dia é uma nova descoberta, cada dia é um novo aprendizado. Já mudamos várias vezes o nosso pequeno plano e nenhuma vez nos arrependemos. Até o blog que criamos para ser um projeto pessoal sem expectativa nenhuma, começou a crescer.

Nós não desistimos nem mesmo quando o dinheiro estava prestes a acabar. Nós corremos atrás, fomos fazer o que sabemos fazer de melhor e seguir viajando. Voltar par casa nunca foi uma opção! Nunca, em nenhum momento! Só quem está na estrada entende o processo natural que acontece. As motivações para viajar geralmente são as mesmas pra todas as pessoas que encontramos, e todas precisaram parar, rever os planos diversas vezes e buscar uma forma de continuar financiando a viagem.

Parece impossível, mas não é! É muito difícil, exige muito desapego, muita força de vontade e cada sinal de energia positiva externa é sopro de motivação pra seguir em frente mesmo com um orçamento tão apertado e sem nenhuma segurança financeira. Mas não existe preço que pague o que estamos vivendo e não existe arrependimento que supere a transformação pela qual passamos. Hoje somos leves, autênticos e trabalhamos para nós mesmos, sem cobranças externas. Não nos permitimos mais a mediocridade, porque as coisas mudam muito rápido e a vida é curta demais pra desperdiçar energia com algo que simplesmente não nos acrescenta. 

eduardo e monica viagem

Já conhece nosso Facebook?

VEJA MAIS