7 Dicas para Manter a Vaidade na Estrada

Translate here!

Texto: MONICA MORAS  Fotos: EDUARDO VIERO

Dizem que viajantes tem menos vaidade. Mentira! Só temos menos espaço e menos dinheiro. Eu não deixei de me cuidar, só fiz uma escolha de não me estressar mais tanto com meus cachos revoltados, minhas unhas por fazer e por repetir roupa com frequência. O que fiz foi basicamente definir prioridades que me permitissem olhar as fotos em que apareceria sem morrer de vergonha. Já falei disso no post Como Estar Bem Arrumada o Dia Todo Durante a Viagem

É claro que eu cometi erros no começo da viagem, paguei excesso de bagagem uma vez nas Filipinas, porque excedi os 10kg, morri de ódio e desapeguei rapidinho dos "extras"! Daquele momento em diante minha mochila nunca mais foi a mesma. E toda vez que ela fica mais gordinha, eu já faço o momento desapego de guarda-roupa (veja aqui).

Ser viajante já é bem cansativo, então manter a auto-estima e vaidade acaba sendo uma necessidade importante na estrada. Aprendi a ser mais tranquila com a minha imagem, mas ainda assim me sentir bem e bonita o tempo todo. Tenho meus penteados que funcionam bem, me sinto uma nova mulher quando faço as unhas, tenho meu dia da beleza com certa regularidade e tento estar apresentável o tempo todo, até porque não tenho muitas roupas mesmo para ficar no estilo "meio-mendiga-afinal-só-vou-ali-levar-o-lixo". Sim, eu também fazia isso antes! 

 

Sempre bonita na viagem

 

1. Cabelos

Cabelo cresce! Tenho cabelo cacheado e volumoso então dá trabalho manter o mínimo de dignidade. Parei de olhar para as pontas quebradas, de me revoltar quando ele acorda com vontade própria, aprendi a fazer vários tipos de penteados e hoje faço trança espinha-de-peixe perfeita no caminho a pé entre a minha “casa” e o metrô.

O fato é que ele não pode me incomodar! Na Ásia não tem nada para "domar" meus cachos e acabo usando mousse para quem faz babyliss. Divido xampu e condicionador com o Eduardo e a borrachinha de cabelo está sempre no meu pulso. Sempre! 

2. UNHAS: MANICURE E PEDICURE

É a última coisa que me preocupa hoje! Antes de viajar treinei bastante para fazer sozinha, mas ainda levo um tempo. Então o pé tento manter pintado e vou retocando. Só faço de novo no limite do ridículo mesmo (1x mês). Já a mão só faço quando realmente tenho tempo para esperar secar o esmalte. Senão só dou uma ajeitadinha nas cutículas, porque no passado eu roía, então os cantinhos me incomodam e são um passo para voltar a roer.

Às vezes vou só retocando o esmalte nas pontas, outras fico sem nada. Trouxe comigo alicate e três cores de esmalte de uma coleção mini da OPI, que equivalem a um vidrinho normal. Mas se a sua viagem é mais curta, existem muitas outras opções para manter sempre sempre bonita, como as unhas pintadas com gel (leia aqui).

vaidade viagem monica

3. Depilação: 

Sou abençoada, porque tenho poucos pelos e ainda são finos e loiros. Em lugares frios simplesmente relaxo, e em lugares quentes a gilete acaba sendo a melhor solução. Quando a situação é mais caótica, se é que vocês me entendem, uso a máquina de barbar do Eduardo (aquelas de raspar cabelo, não propriamente um barbeador). 

Não confio fazer depilação em salões de beleza, morro de medo de fazerem errado e eu acabar toda roxa! Já a sobrancelha eu tenho agonia. Não posso ver um fiozinho extra que já arranco na pinça. 

4. Pele: CUIDADOS E HIDRATAÇÃO

Eu uso filtro solar fator 50 ou mais, mas não uso hidratante. Só quando é realmente necessário, como em lugares frios ou na praia, e mesmo assim compro embalagem pequena para durar só o tempo que estiver no lugar. É muito pesado para carregar e quando o banheiro é compartilhado é quase impossível.

Minha única frustração é a dificuldade de encontrar um esfoliante bom, do tipo que realmente faça esfoliação. As asiáticas tem uma pele muito fina, então parar elas tudo é mais delicado e pode machucar. 

5. MAQUIAGEM

Não sou expert, mas sei me valorizar usando o básico e não saio de casa sem máscara de cílios e lápis de olho. Nunca! É uma questão de me olhar no espelho e me sentir bem (expliquei aqui). Não uso mais base, apenas protetor solar fator 50 ou mais. Aprendi a amar as minhas sardas!

Tenho um blush, um kit de sombras (duo dia e noite), brilho labial, um lápis de olho com esfumador e duas máscaras de cílios, sendo uma a prova d`água, porque uso até na piscina e no mar. Me julguem! 

5. Roupas: Levar e levar

Trouxe apenas o que me caía bem, combinava com entre todas as peças e ainda era confortável. Como falei no post do desapego, não me importo de repetir roupas, isso faz parte da viagem. Mas tudo isso começou lá na época que Eu Me Libertei Do Meu Guarda-Roupa 

A máquina de lavar é a minha melhor amiga na viagem. Sim, ainda lavo calcinha no chuveiro e quando bate um desespero vou para pia do banheiro lavar alguma peça específica com sabonete mesmo. Mas geralmente usamos a máquina no hostel ou Airbnb. Na Tailândia é mais fácil, já que as máquinas de lavar a roupa estão na rua e basta colocar as moedinhas. Veja o item 17 do post Tudo Sobre a Tailândia: 28 Dicas de Quem Morou Lá Bastante Tempo

7. Sapatos

Não sou maníaca, então vivo feliz e confortável com a minha havaianas, meus tênis e a sandália arrumadinha. Sapato é uma coisa que pesa, ocupa espaço. Então mesmo que eu tenha que pagar mais caro, escolho os mais confortáveis e leves possíveis. 

Fazer essas escolhas não foi nenhum sacrifício, porque o meu foco era me sentir bem com a minha imagem o tempo todo, uma questão de auto-estima. Pensei muito, defini minhas prioridades, troquei um peso por outro e tomei consciência que o brilho dos meus olhos e a beleza da paisagem chamam muito mais atenção do que qualquer unha descascada, ponta dupla ou aquela camiseta de sempre. Confesso que hoje até me sinto mais confiante e confortável na hora de aparecer nas fotos. 

Veja também:

 

Já conhece nosso Facebook?

VEJA MAIS